Reggia de Venaria Reale

Palácio de Venaria: Uma Residência Real nos arredores de Turim

O Palácio de Venaria (Reggia di Venaria Reale, em italiano) é uma das Residências Reais do Sabóia, Patrimônio Mundial da Humanidade desde 1997. Ele fica a poucos quilômetros do centro de Turim, sendo, portanto, um passeio que eu considero imperdível!

Venaria Reale é provavelmente a residência mais conhecida da família Sabóia fora de Turim. Trata-se de um gigantesco palácio construído em uma propriedade de 80 hectares, criado para ser simplesmente uma casa de campo, onde a família real poderia desfrutar em paz de um fim de semana relaxante. Este palácio era, talvez, a maior das residências de Sabóia, tão magnífico que é considerado, por alguns, o “Versailles do Piemonte”.

As Residências Reais, Patrimônio da Humanidade

As residências da ex-família real italiana, os Sabóia (ou Savoia, em italiano), ainda brilham em Turim. Desde 1997, estas residências reais estão na Lista do Patrimônio Mundial da Humanidade da Unesco.

Trata-se de um total de 22 palácios e castelos, dos quais 11 situados no centro de Turim e os outros distribuídos ao redor da cidade, como o Palácio de Venaria, construídos entre os séculos XVII e XVIII. Esses palácios em torno de Turim são chamados “Corone di Delizie”, ou seja, a coroa das delícias, porque era um sistema de residências fora da cidade dedicadas ao lazer, às festas e à caça, dispostas em maneira circular ao redor da capital do reino, definindo ainda mais seu papel central de comando.

As Residências Reais dos Sabóia foram definidas um exemplo tangível do gênio da arte e da arquitetura barroca e tardo-barroca e são exemplos do brilho e da “doutrina” da monarquia absoluta.

Veja também: Uma visita à Residência de Caça de Stupinigi

o que ver em turim

A história da Venaria Reale

O Palácio de Venaria foi construído por ordem do duque Carlos Emanuel II e ficou pronto em poucos anos. Sua construção durou de 1658 a 1679, seguindo o projeto do arquiteto da côrte, Amadeus de Castellamonte. O nome da região e da cidade derivou de Venatio Regia, uma expressão latina usada para indicar a arte da caça.

O Duque escolheu o lugar porque ficava próximo a uma grande floresta chamada Gran Paese, cheia de animais, portanto perfeita para a caça, o maior hobby dos homens da côrte naquele período. O território da floresta se estendia por cerca de 100km, desde a colina ao redorde Turim até as montanhas dos Alpes.

A residência foi construída juntamente com jardins e um jogo de esculturas, fontes, escadarias espetaculares e terraços em níveis diferentes, e ainda um templo dedicado à deusa da caça, Diana. Posteriormente, decidiu-se fazer uma reforma para tornar o palácio ainda mais suntuoso. Os jardins foram completamente redesenhados em estilo francês, com perspectivas infinitas, seguindo o estilo da maior côrte europeia, ou seja, Versailles.

Em seguida, em 1716, foi feita outra ampliação. Desta vez, o projeto foi confiado a um dos maiores arquitetos da época, Filippo Juvarra, o qual trouxe para o Palácio de Venaria obras-primas do barroco, como a Galleria Grande e a Capela de Sant’Umberto.

Os trabalhadores da côrte e os cidadãos “normais” começaram a construir suas próprias casas ao redor do Palácio de Venaria, formando uma aldeia e, posteriormente uma verdadeira cidade autônoma, o município de Venaria Reale, como é até hoje.

O palácio continuou a sua vida na côrte até o declínio no início do século XIX, com a trasformação em quartel, após a chegada de Napoleão e consequente fuga da família real.

A cidadezinha de Venaria Reale que surgiu ao redor do palácio.

A visita ao Palácio de Venaria

Por muitos anos o Palácio de Venaria ficou em estado de abandono e é difícil imaginar como isso possa ter acontecido com um lugar tão importante como este. No final da década de 90 iniciou-se um processo de restauração que durou oito anos. Em 2007, a Venaria Reale voltou a brilhar, com suas 50 salas dispostas ao longo de bem 2km.

Minha visita ao Palácio de Venaria durou quase 3h, portanto é um lugar para ir sem pressa alguma. Visitar o Palácio de Venaria significa admirar obras vindas das coleções de outras residências Sabóia, ver exposições de importância internacional, passear pelos jardins maravilhosamente reconstruídos e experimentar a magnificência da arquitetura barroca.

O percurso inicia com uma retrospectiva histórica do Palácio e uma série de quadros que retratram membros da família real do Saboia.

A visita se torna ainda mais interessante porque em algumas salas, por exemplo, na cozinha, na estala, são projetadas vídeoinstalações de Peter Greenaway nas quais são mostrados através de imagens e sons o dia a dia dos serviçais e da família real.

Uma das instalações multimídia de Peter Greenaway

Alguma das salas são mobiliadas com peças originais, como os aposentos dos príncipes e princesas. Esses apartamentos ficaram muito tempo sem poder ser visitados e somente há poucos os anos o acessos aos visitantes é permitido. O interessante é que você pode circular por eles livremente.

Venaria Reale
Um dos aposento reais.

Também há uma vasta coleção de objetos da época, que provam a riqueza e o poder da família nos tempos de ouro do Palácio de Venaria.

A Galleria Grande

Mas sem dúvida alguma a parte do palácio mais incrível (e  também mais fotografada) é a Galleria Grande! Entrar neste imenso corredor pela primeira vez, nos dá uma sensação de grandeza. É impressionante!

Palacio de Venaria Reale

A Galleria Grande, ou galeria de Diana, foi completamente transformada por Filippo Juvarra entre 1716 e 1718, fazendo dela uma das suas obras de arte arquitetônicas (se você visitar os palácios do centro de Turim vai sempre ouvir o nome dele!).  A galeria tem 80m e 12m de altura e de largura, produzindo um efeito de luz magnífico graças às janelas, à luminosidade do piso e dos alvíssimos estucos no teto. Dei muita sorte em encontrar o Palácio de Venaria quase vazio, porque não é fácil conseguir fotografar a galeria assim, sem ninguém.

Palácio de Venaria
Todos os ambientes do andar real são amplos e incrivelmente luminosos.

Os jardins de Venaria Reale

O tempo não permitiu que eu visitasse os jardins, mas pelo menos pude apreciá-los das enormes janelas. Se você visita a Venaria em um dia lindo de primavera, não deixe de dar um passeio pelos jardins, imagino que as cores serão incríveis.

No final do percurso você vai encontrar um café e uma loja de souvenirs dentro do Palácio. Se a este posto estiver com muita fome, pode aproveitar para dar um passeio na pequena aldeia da Venaria Reale, e lá encontrará ainda outros cafés e restaurantes. Na cidadezinha não há muito para ver, mas é sempre um passeio agradável.

Uma curiosidade: No último andar do Palácio de Venaria fica um famosíssimo restaurante de alta gastronomia, o Dolce Stil Novo, do chef Alfredo Russo. O restaurante fica aberto de terça a domingo, no almoço e no jantar. É necessário reservar.

Informações práticas

O Palácio de Venaria Reale está localizado na Piazza della Repubblica, 4 em Venaria Reale, a 10km de Turim. Fica aberto de terça a sexta das 9 às 17h. Aos sábados e domingos funciona das 9 às 19h.

Ingressos:

Há vários tipos de bilhetes, então você pode escolher o que preferir, de acordo com o seu tempo disponível e com o que prefere visitar. A bilheteria fica fora do Palácio, na praia logo em frente (esta porta na esquerda da foto acima):

  • O bilhete que inclui tudo, a visita ao Palácio, aos Jardins e às mostras: a partir de 22 euros
  • Bilhete Palácio + Estábulos: 16 euros
  • Bilhete somente para os jardins (para quem deseja, por exemplo, só fazer um piquenique): 5 euros

 

Como chegar a Venaria Reale

De ônibus: É possível chegar ao Palácio de Venaria de ônibus facilmente, com a linha GTT Venaria Express. É um ônibus especial que liga diretamente o centro de Turim e a estação de Porta Susa à cidade de Venaria Reale e ao Palácio. O bilhete custa 1,70 euros por trecho durante os dias de semana e 7 euros com a duração de um dia inteiro aos sábados e domingos.

Gostou? Então compartilha!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.