Ilha de Capri

10 Curiosidades sobre Capri

A ilha de Capri é uma das metas mais famosas da Itália, bem como uma das mais espetaculares. Não podemos negar. Mas além de suas belezas, Capri é repleta de curiosidades e fatos interessantes.

Enfim, se você está planejando visitar a Ilha de Capri, que tal aprender um pouco mais sobre ela?

1. É uma ilha do Golfo de Nápoles

Ilha de Capri, na Itália

A ilha de Capri fica na região da Campânia, mais exatamente no Golfo de Nápoles.

Banhada pelo Mar Tirreno, é aquela mais ao sul entre as ilhas do golfo. De fato, Capri fica já praticamente de frente para Sorrento.

Veja também: Passeios em Capri

2. Uma ilha, duas cidades

Embora a conheçamos somente como “ilha de Capri”, em seu território se encontram bem dois munícipios: Capri e Anacapri.

Capri é mais visitada graças à sua marina, lojas e restaurantes. Digamos que é a parte mais badalada da ilha.

Por outro lado, Anacapri tende a ser menos movimentada e é onde a maior parte da população realmente vive. Também está mais acima do nível do mar do que Capri.

Uma dica: você pode pegar o teleférico para fazer um passeio de 12 minutos até o pico mais alto de Capri, o Monte Solara.

Anacapri
A vista de Anacapri

3. A Pátria do limoncello

Existem diversas teorias sobre a origem do limoncello. Entretanto, a história mais recente vê o licor nascer no início do século XX, em uma pequena pensão de Capri. Sua proprietária, Maria Antonia Farace fazia um licor de limão com os frutos que colhia no próprio pomar.

Depois da 1ª Guerra Mundial, o neto dela abriu um restaurante e a especialidade de lá era o licor de limão feito com a receita da avó.

Leia também: História e Receita do Limoncello Italiano
limões de capri

4. E da salada caprese

Antes de mais nada, existem diferentes teorias sobre as origens da famosa salada italiana. Mas o que é certo é que a salada caprese nasceu, é claro, em Capri!

Segundo uma teoria, teria sido um pedreiro, particularmente orgulhoso de sua pátria a criá-la. Para homenagear a Itália, ele criou seu lanche com produtos que lembravam as cores da bandeira italiana: mozzarella, manjericão e tomates. Ingredientes simples e ao alcance de todos.

Segundo outros testemunhos, o nascimento desta salada foi uma homenagem à corrente artística do Futurismo. Foi no início da década de 1920 quando o Hotel Quisisana incluiu em seu cardápio um prato novo, fresco e saboroso, uma homenagem às ideias de Filippo Tommaso Marinetti. De fato, o poeta italiano e criador do movimento futurístico, avesso aos pratos típicos da tradição italiana, especialmente os baseados em “massas”.

salada caprese

Enfim, a Salada Caprese, em sua versão ideal, deve ser composta por fatias de tomates frescos, muçarela de búfala, manjericão, orégano e um fiozinho de azeite extra-virgem italiano.

5. A ilha de Capri em sua própria fragrância

Segundo uma lenda, em 1380, o prior da Certosa di San Giacomo, surpreso com a notícia da chegada a Capri da rainha Joana d’Anjou, preparou uma decoração com mais belas flores da ilha. Aquelas flores ficaram três dias na mesma água e, na hora de jogá-las fora, o prior percebeu que a água adquirira um perfume delicioso. Tudo graças ao Garofilium silvestre caprese, uma flor local. Essa água foi o primeiro perfume de Capri.

casas de Capri na Itália

A história, por outro lado, conta que, em 1948, o prior da Certosa, tendo encontrado antigas receitas de essências, as revelou a um químico piemontês. Daí nasceu o menor laboratório do mundo, o Carthusia, ou seja, “Certosa”.

Hoje em dia, a tradição continua seguindo os métodos de produção dos monges cartuxos: as 21 fragrâncias de Capri são preparadas de forma artesanal (máximo 300 por dia) com matérias-primas naturais de alta qualidade e até o produto acabado é embrulhado à mão. Entre os ingredientes locais, estão o alecrim do Monte Solaro e o cravo-da-índia.

Por fim, uma vez em Capri, você pode sentir as diversas fragrâncias na perfumaria Carthusia.

6. A peste dizimou metade da população da ilha de Capri

Quando a peste bubônica chegou à ilha de Capri no século XVII, havia apenas 755 habitantes na ilha.

A epidemia devastou Capri, matando mais de 300 pessoas que moravam lá. Durante este tempo, os monges da Certosa di San Giacomo, mosteiro cartuxo de Capri, permaneceram isolados, vivendo dentro dos limites de sua casa.

Com o número de mortos aumentando à medida que a peste se espalhava pela ilha, os níveis de ressentimento direcionados aos monges aumentaram drasticamente devido à falta de vontade de ajudar. Assim, os moradores de Capri se vingaram, jogando os cadáveres dos doentes sobre os muros do mosteiro.

7. Os faraglioni de Capri têm nome

ilha de capri

Você sabia que os faraglioni de Capri, o mais famoso cartão postal da ilha, têm nome? Pois é, cada um dos 3 rochedos (Faraglioni) que saem do mar tem seu próprio nome.

O primeiro, aquele ainda ligado à terra firme, sobre o qual foram encontrados os restos de uma vila romana, é Saetta, é o mais alto, com seus 109 metros. O segundo, o Stella, é caracterizado por um arco natural de 60 metros de comprimento. Ele é o local preferido de visitantes de todo o mundo para tirar selfies ou até mesmo fazer pedidos de casamento românticos. O nome deriva do culto da Madonna della Libera, também conhecida como Estrela do Mar ou “Stella Maris. Por fim, o mais externo é o Scopolo, ou “promontório sobre o mar”, que atinge uma altura de 104 metros. Este último faraglione é o lar de uma espécie rara de lagarto azul.

Enfim, na realidade os faraglioni de Capri não seriam 3, mas sim 4. De fato, há ainda o Monacone, assim chamado pela presença da foca-monge até o início do século XX. Seu pequeno tamanho muitas vezes lhe custou o simples nome de rochedo, mas não é, é um farelhão também!

8. Uma gruta que atrai gente do mundo inteiro

Gruta azul em Capri

Sem dúvida, uma das maiores razões pelas quais as pessoas vão a Capri é para ver a Gruta Azul. Escondida dentro de uma caverna, a gruta tem quase 150 metros de profundidade e recebe milhares de visitantes todos os dias. O que torna a gruta de um azul tão lindo é a forma como a luz atinge a água através da caverna, filtrando outros espectros de cores.

Embora haja mais de uma gruta ao redor de Capri, a Gruta Azul é, de longe, a mais popular. Para entrar nela, é necessário pagar um bilhete de 14 euros que compreende o transporte com o barqueiro local. O tempo de permanência na gruta é de poucos minutos.

9. 80% das pessoas que passam pela ilha de Capri são turistas

Turistas em Capri

Segundo dados de 2021, os residentes em Capri são pouco mais de 14 mil. No entanto, Capri é visitada por mais de dois milhões de pessoas por ano. E cerca de 80% de todas as pessoas em Capri em qualquer época do verão são geralmente turistas vindos de Nápoles, Sorrento ou em um cruzeiro pela Itália.

Sem dúvida, é muita gente para uma ilha tão pequena. Por isso o prefeito da cidade de Capri também tentou encontrar soluções, como limitar a quantidade diária de pessoas que podem entrar em Capri.

10. Relaxar na praia não é simples

Praia de Capri
A Praia da Marina Grande

Descansar nas praias de Capri nem sempre é uma tarefa fácil. Ao chegar lá, você logo se dará conta que não é um lugar onde não há aquelas lindas praias de areia fina.

De fato, as praias de Capri são caracterizadas por pequenas enseadas. Não há areia, mas sim seixos e pedregulhos. Em algumas, não há nem mesmo isso, mas falésias íngremes de onde você pode mergulhar diretamente no mar.

Além disso, para chegar à beira da água, muitas vezes você tem que descer escadas íngremes ou trilhas para caminhada pela paisagem selvagem (que você terá que subir de volta depois de nadar!). Dito isto, a recompensa vale o esforço: águas cristalinas tão claras que você pode ver direto até o fundo do mar.

 

Gostou? Então compartilha!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.